Descrição do Projeto

Rastreie seu Pescado

Digite abaixo o código do seu pescado para saber mais detalhes sobre sua procedência.

Como consigo este código?

Aqui Pescamos

 Imagem Nome Vulgar Nome Científico
caranguejo-uca  Caranguejo Uça  Ucides cordatus

Onde encontrar estes pescados para um consumo consciente?

CONHEÇA OS RESTAURANTES E MERCADOS

Sobre Nós

A ocupação do território se deu pelos índios Tupinambás, que ocupavam parte das beiradas dos rios, igarapés, igapós, manguezais e na terra firme. Em suas práticas cotidianas desenvolveram um extenso conhecimento sobre o uso dos recursos naturais da região.

A região do Salgado Paraense tem uma grande importância no contexto histórico e na economia da região costeira do Pará, pois se trata de uma área de ocupação e colonização, com grande influência dos portugueses, espanhóis e holandeses. Com a chegada destes colonizadores, especialmente os portugueses, esta região começou a sofrer transformações no estilo de vida, costumes e economia. As aldeias que outrora representavam as únicas formas de aglomeração começavam a ter um fluxo maior de pessoas em busca de alimentos e bens, para ser enviados a Portugal.

Essa região costeira é recortada por vários estuários onde há a presença de extensos manguezais. Essas condições permitiram o desenvolvimento de estratégias de pesca, confecção de apetrechos, manifestações culturais e culinária, muito vinculada ao ambiente de manguezal.

Em um esforço para garantir a sustentabilidade no uso dos recursos, buscar melhorias na condição de vida das populações locais e enfrentar diversos conflitos de interesse de uso destas áreas costeiras, várias Reservas Extrativistas (RESEX) foram criadas.

Os usuários da Reserva Extrativista de São João da Ponta, dependem em seus meios de vida principalmente da pesca e agricultura, sendo muito importante a atividade de captura do caranguejo.

Atualmente a RESEX encontra-se com seu conselho deliberativo implementado e com o regimento aprovado, onde cerca de 17 instituições públicas e da sociedade civil organizada propõe, discutem e decidem o conteúdo de ações para a gestão da Unidade.

Além da instância de gestão participativa, acima citada, tem um papel muito importante a Associação Mãe – Mocajuim, a qual engloba todos os usuários comunitários ligados ao extrativismo do pescado, tais como peixes, crustáceos, moluscos, no município. Essa associação é a principal articuladora e interlocutora com outras associações e entidades de classe do município e de municípios vizinhos.

Os extrativistas, uma vez organizados e atuantes, podem unir esforços para buscar alternativas técnicas de viabilizar economicamente suas conquistas para o efetivo reconhecimento do valor dos sistemas de apropriação comunitária de espaços e recursos naturais, podendo desta maneira contribuir na gestão ambiental e na conservação da biodiversidade da RESEX.

Onde Estamos

O município de São João da Ponta foi criado por meio da Lei Estadual nº 5.920, de 27 de dezembro de 1995. Sua criação ocorreu por desmembramento do município de São Caetano de Odivelas. Por estar sediado na antiga localidade de São João da Ponta, passou à categoria de Cidade com a mesma denominação.

Está localizado na mesorregião do nordeste paraense e microrregião do salgado, abrangendo uma área territorial de 196,9 km². Limita-se ao norte e oeste com o município de São Caetano de Odivelas, ao sul com os municípios de Terra Alta e São Caetano de Odivelas, e a leste com os municípios de Terra Alta e Curuçá. Seu principal acesso se dá pela rodovia PA-136 (Rodovia Castanhal – Curuçá) e PA-375.

A Reserva Extrativista de São João da Ponta foi criada por meio do Decreto S/N de 13 de dezembro de 2002. Abrange uma área de 3203 ha e limita-se com o município de Curuçá pelo rio Mocajúba e com o município de São Caetano de Odivelas pelo rio Mojuim.

A necessidade de sua criação foi fruto da mobilização das comunidades pesqueiras, conjuntamente com as entidades de classe, a sociedade civil organizada e o poder público. Atualmente beneficia 13 comunidades pesqueiras que congregam um universo com mais de 600 famílias, o que totaliza aproximadamente 3.000 pessoas.